Páginas

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

{RESENHA} O Vale do Medo - Arthur Conan Doyle

Sherlock Holmes recebe uma mensagem cifrada de um sujeito que se auto identifica como Fred Porlock. A carta alerta-o para um crime que deverá ocorrer em Birlstone, cuja vítima é o proprietário da mansão, o sr. John Douglas. No entanto, o detetive não consegue evitar o assassinato e é convidado pelas autoridades a participar e contribuir com a investigação. Chegando no local ele e seu leal companheiro, o Dr. Watson, percebem que há muitas informações inusitadas. Entre elas, uma marca feita a ferro no braço do morto, a qual consiste em um triângulo dentro de um círculo, sugerindo ser o símbolo de uma ceita ou sociedade secreta.

Foto: Lu Garcia

O homem fora atingido por um tiro de uma espingarda com cano serrado diretamente no rosto, o que o deixou desfigurado. Mas o biotipo e a tatuagem confirmam sua identidade. Sendo assim, surgem várias perguntas: Como ou quando o assassino entrou na propriedade, uma vez que a casa é circundada por um fosso e possui uma ponte levadiça que é recolhida todos os dias antes do anoitecer? E como fugiu a seguir, devido a ausência de pegadas que sinalizariam que o criminoso atravessou o fosso a nado? Será que ele teve um cúmplice de dentro da residência? Ou ainda está entre os moradores?

Sobre o cadáver, o malfeitor deixou um cartão com a inscrição "V. V. 341". Mas o que isso significa? Será a forma de comunicar a alguém que a vítima fora liquidada? Não houve roubo, exceto da aliança do morto... Isso indica um crime passional? Watson acredita que sim, após flagrar a viúva de Douglas em uma situação íntima e descontraída com o Sr. Cecil Barker, melhor amigo do falecido, que se encontra hospedado na mansão. No entanto, levar o anel não é uma forma de atrair a atenção da policia??

Minha Percepção - A narração é dividida em duas partes, sendo a primeira repleta de curiosidades, intrigas, desconfianças, pistas falsas e depoimentos controversos. A segunda, conta a história do jovem Douglas, destemido, persuasivo, cativante e de personalidade forte... Aqui o leitor tem a oportunidade de conhecer melhor a vítima e descobrir o motivo do atentado contra sua vida: uma vingança. Mais do que isso: mergulhamos no Vale do Medo, uma região dos Estados Unidos rica em carvão e minério de ferro onde impera a lei dos Scowrer, uma organização de matadores profissionais que vivem as margens da lei explorando pequenos empresários e moradores da vila.

Esta obra me lembrou Um Estudo em Vermelho, também composto por dois relatos intimamente ligados onde o segundo conto, mesmo sem a presença de Holmes, é tão interessante e exitante quanto o primeiro, tamanha a genialidade do autor ao usar as palavras. Ressalto que já havia lido sob o título O Vale do Terror e agora tive a oportunidade de apreciar o exemplar novamente graças a coleção  da Editora Nova Fronteira composta por quatro volumes contendo a obra completa de Arthur Conan Doyle.